Quando a Tecnologia Não Consegue Ser Eficaz?

Quando a Tecnologia Não Consegue Ser Eficaz?

Novembro é marcado por uma data em que as pessoas se lembram de entes queridos falecidos e refletem sobre a vida e sobre perdas.

Este século consolidou as maiores invenções tecnológicas associadas à saúde em decorrência de todo um cenário mundial favorável as pesquisas e busca incansável da qualidade e preservação da vida. Realidade aumentada, resultados de exames de sangue solicitados e recebidos durante uma consulta, cirurgias a distância, exames que identificam os menores sinais de cânceres e medicações de última geração são apenas alguns exemplos de práticas que favorecem os cidadãos.

As doenças não escolhem gênero, classe social, cor, religião ou qualquer outra classificação. O mapeamento do DNA e as pesquisas com células-tronco permitem um olhar para o futuro, mas não alcançam a realidade na qual se possa selecionar apenas o lado bom da vida.

Com o cenário favorável para a qualidade de vida e lendo os indicadores sobre o comportamento masculino na busca da prevenção de câncer de próstata, infelizmente você vai se deparar com números desfavoráveis. Na página da MR Soluções, no LinkedIN, postamos uma tabela com os indicadores. Acesse e analise. Estamos empenhados na causa do novembro azul, por isso nosso primeiro artigo de novembro não aborda diretamente a tecnologia da informação. Optamos por falar sobre a impotência da tecnologia quando ela esbarra na resistência humana, proveniente do medo, preconceito ou descrédito de que um inimigo devastador como o câncer de próstata esteja por perto.

Seja qual for o motivo, é compreensível, embora não justifique. Pense no seguinte: pessoas de todas as profissões fazem sacrifícios para alcançarem o sucesso, obterem reconhecimento e qualidade de vida no trabalho. Algumas grandes empresas até têm programas de prevenção de patologias. Os funcionários participam mesmo contra a vontade, muitas vezes para se sentirem “parte do grupo”. Mas se esse não é o seu caso, será necessário um sacrifício para enfrentar seus medos e preconceitos com a sua própria motivação e permitir que a tecnologia faça a parte dela. Respondendo a pergunta título desse artigo: a tecnologia é impotente quando há uma necessidade latente, mas não há a atitude correta para a ação necessária, que no caso do que estamos falando é fazer exames preventivos.

Durante o novembro azul, há uma grande mobilização em prol de exames para detecção do câncer de próstata, mas veja o quadro não muito diferente em relação ao câncer de intestino. Esse é o segundo tipo de câncer que mais acomete as mulheres, perdendo apenas para o de mama, e é o terceiro mais incidente entre os homens, depois do câncer de próstata e de pulmão. Ele pode ser evitado, mas, se descoberto tardiamente, pode ser fatal. Quase metade dos pacientes com esse câncer morre em cinco anos após tratamento. Quando diagnosticado em estágio inicial, a sobrevida é considerada boa e ultrapassa 70%, já que a lesão no intestino grosso começa sempre de forma benigna, com o pólipo. Se a colonoscopia não for feita a tempo, os pólipos são eliminados antes de se tornarem uma grande colônia e se espalhar para outros órgãos.

Talvez por motivos semelhantes à resistência em fazer o exame preventivo de câncer de próstata (o toque, depois do exame de sangue), a incidência de neoplasia maligna do estômago é alta. A colonoscopia ainda é mito e medo para muitos homens. Se você quiser saber os números estimados totais de câncer no Brasil para 2020, clique aqui. Para ver especificamente sobre câncer de estômago, veja a figura 43. É realidade.

Todos precisam, mais cedo ou mais tarde, passar por situações desafiadoras que devem ser um convite para provar as qualidades de quem está na situação. Pense no caso da maternidade. A gestante faz todos os preparativos com muita alegria, mas no dia do parto, ela passa por uma situação difícil que é ficar perante várias pessoas, a maioria estranha, durante o parto. Mas raramente uma mãe diz que passou vergonha. Ela se concentrou no objetivo que era acolher seu bebê no colo e usufruir o momento com o pai do bebê.

Esses exames são desconfortáveis, mas necessários para se ter a alegria de uma mente em paz e a certeza de um corpo saudável. Esperamos que após a leitura desse artigo e dessa mobilização, você leitor, seja homem ou mulher, abrace a causa, divulgue, opine, influencie ou decida fazer os exames preventivos. A tecnologia está a serviço da vida, mas apenas para quem quiser.

Deixe uma resposta